.

.
Página de doutrina Batista-Calvinista. Cremos na inspiração divina, na inerrância e infalibilidade das Escrituras Sagradas; e de que Deus se manifestou em plenitude no seu Filho Amado Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador, o qual é a Segunda Pessoa da Tri-unidade Santa
CLIQUE, NO TÍTULO DE CADA UMA DAS POSTAGENS, PARA ACESSAR O ÁUDIO DO SERMÃO OU ESTUDO

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

CHAMADO AO ARREPENDIMENTO*

Pr. Júlio César de Salles

1) Miquéias: seu nome significa "Quem é semelhante a Jeová".
2) Profetizou em (742-703 a.c.), sendo contemporâneo de Isaías e Oséias. Compare: Mq 2:2-4, Is2: 2-4. Profetizou a Israel (Samaria) e Judá (Jerusalém).
3) Mq 1:1;14 - Morastita de Moreste Gate. Uma cidade fronteira com os filisteus e aparentemente insignificante.
4) Enquanto Isaías era profeta da cidade, Miquéias era profeta do campo. Neste maravilhoso livro da Bíblia encontramos a grande profecia messiânica (Mq 5:2).
5) Honrou seu nome declarando arrependimento a todas as regiões da antiga Palestina.
6) Um século depois, a vida do Profeta Jeremias foi salva por um apelo de seus amigos, citando Mq 3.12 (na ocasião em que estava sendo condenado à morte por pregar o evangelho de Deus) - Jr 26:17-19; nos ensinando que o chamado de Deus não é preso ao tempo. O próprio Senhor Jesus citou Mq. 7:6 em Mateus 10:35-36.
7) No capítulo 1 versículo 15, lemos que a glória de Israel chegaria até Adulão, o qual significa lugar da antiguidade; nos ensinando que o perdão de Deus cobre o nosso passado.
8) Este livro contém grandes partes introduzidas pela a palavra Ouvi:
Mq. 1:2; 3:1; 6:1-2. Temos Sl 18.44, onde nos ensina a estarmos prontos a obedecer à voz de Deus.
9) Mq 1:12-15 - Invasão assíria, em 732 a.c., ao reino do Norte (2Rs 17:1-18).
10) Ao reino do Sul a invasão assíria chegou às portas. Em 701a.c., Miquéias presenciou a queda do reino do Norte, e o grande milagre de Is 36-37, 2Rs 18 e 19; onde Deus não permitiu que os assírios invadissem Jerusalém.
11) Mq 1:16, nos mostra que a calva era símbolo de vergonha.
Em Lv 21.5; Dt 14.1; Ez 7.18; Am 8.10; significa também um ritual fúnebre, em que as nações gentílicas pranteavam os mortos. Israel não devia entristecer-se como as demais nações, as quais não tinham esperança (1Tes 4.13).
12) Vemos em Is 28:20; Mq 2:1, a urgência de se confessar os pecados (1Jo 1.9). Em Mq 7:7 somos exortados a desfrutamos as bênçãos do arrependimento (Mq 7:18-20).

* Esboço da mensagem pregada em 06 de Agosto de 2008, no T.B.B.

Nenhum comentário: