.

.
Página de doutrina Batista-Calvinista. Cremos na inspiração divina, na inerrância e infalibilidade das Escrituras Sagradas; e de que Deus se manifestou em plenitude no seu Filho Amado Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador, o qual é a Segunda Pessoa da Tri-unidade Santa
CLIQUE, NO TÍTULO DE CADA UMA DAS POSTAGENS, PARA ACESSAR O ÁUDIO DO SERMÃO OU ESTUDO

domingo, 1 de janeiro de 2017

Sermão em João 1.1: "Sem Cristo não há Deus!"¹





JORGE F. ISAH



A)         INTRODUÇÃO: 

-      Hoje é Natal!
-      Uma festa comemorada em quase todo o mundo, por quase todas as pessoas.
-      Há uma grande mobilização na compra de presentes, comidas, bebidas, e todos parecem se alegrar além do normal.
-      Há expectativas de se reunir toda a família, os amigos, e celebrarem o Natal.
-      O espocar de foguetes começa já nas primeiras horas, prolonga por todo o dia e se intensifica à noite. A noite de Natal.
-      Mas, o que estamos celebrando? O que comemoramos?
-      Quando ligamos a TV ou o rádio, abrimos os jornais, vemos, ouvimos e lemos sobre qual assunto?
-      Normalmente a palavra mágica é paz. Outra associada a ela é amor. Felicidade. União.
-      Fala-se das consequências sem se tocar na causa. Falamos de coisas que desejamos sem ter mesmo o ímpeto de experimentá-la, ou, quando muito, não sabemos como alcançá-la.
-      Paz e amor são, em nossos dias, um mantra, um slogan que pouco ou nada quer dizer, porque o homem moderno se esqueceu do que ela seja ou a confundiu .
-      Na verdade, no Natal ou Natividade, comemora-se o nascimento do Filho de Deus, Jesus Cristo.
-      Porém, muito poucas pessoas compreendem o real sentido disso.
-      Parece haver um desejo quase universal de se esquecê-lo, de negligenciá-lo, de apagá-lo da história, pois o que era uma festa redentiva, para se comemorar o nascimento do Salvador e Redentor, tornou-se uma simples tradição sem significado ou com outros significados: comer, beber, reunir a família uma vez por ano para mais uma comemoração, como se o Natal tivesse surgido dessa necessidade.
-      Em nosso país, que é considerado uma nação cristã, as festividades do dia 25 de Dezembro estão muito mais próximas da consumação dos prazeres carnais do que da alegria e gratidão pela vinda do Messias.
-      Por que não se fala da encarnação do Verbo?
-      Se até a História é dividida em antes (AC) e depois de Cristo (DC), por que ele tem sido excluído da sua própria festa?
-      E, quem é o Cristo?

B)         QUEM É JESUS PARA O MUNDO?

-      Para alguns, uma lenda; apesar de tantos escritos, citações em documentos históricos, além da própria Bíblia, que provam a existência de Cristo, como a personalidade mais extensamente pesquisada da História.
-      Outros o consideram apenas um homem, um homem especial, iluminando, um profeta, mas nada além disso.
-      Mas existem aqueles que não somente não creem nele, mas o odeiam com o mais profundo das suas almas, por tudo o que ele representa: justiça, santidade, perfeição, amor, obediência, humilhação, sacrifício, morte.
-      Chegam a blasfemar que, se ele existiu, é um fracassado.
-      São muitos os questionamentos do mundo; e eu mesmo os fiz em meus tempos de incredulidade, Quando ainda não conhecia o meu Senhor.
-      Certa vez, alguém me perguntou: “Você acredita em Deus?” Ao que respondi: “Sim, acredito. Mas é ele lá e eu cá! Não me meto na vida dele, nem ele se mete na minha!”.
-      Bem, eu poderia ser chamado de ignorante, estúpido, idiota, tolo, ou até de coisas piores. Contudo, em minha arrogância e presunção, eu me considerava sábio, um entendido, e achava, de alguma maneira que estava fazendo o certo, e que Deus não se importaria.
-      Cristo era, para mim à época, um personagem, uma celebridade, como Napoleão, Júlio César, Newton, Shakespeare ou Platão. Não era alguém que eu tinha intimidade, compreendesse ou conhecesse.
-      Assim como eu, muitos loucos, insanos e doentes, se consideram sábios, espertos, inteligentes. A blasfêmia somente pode ser perdoada por aquele que foi alvo dela. Eu não posso me perdoar, absolver-me do que fiz e disse; mas, pelo sangue de Cristo derramado na cruz, e diante do meu sincero arrependimento, aproxima-me do Pai e lhe rogo perdão, e sou perdoado.
-      Mas não é o que as pessoas fazem, elas zombam do Senhor. Grupos como “porta-dos-fundos” (um nome bastante significativo para uma porcaria) e outros especializaram-se em escarnecer, ridicularizar, ofender a Deus e ao seu povo.
-      O mundo acredita que pode blasfemar e zombar de Deus impunemente, mas sabemos que não.
-      Em Gálatas 6. 7-8, Paulo nos diz:
Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.
Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna.”


- O mundo, na verdade, odeia a Cristo; para ele, Jesus é um estorvo. Por isso, não é raro se ver, em muitos lugares e cidades, a proibição de se comemorar o Natal. Porque o objetivo é esquecê-lo, apagá-lo.

- Portanto, irmãos, não se iluda, estamos em uma guerra: a Igreja do Senhor contra o mundo (e aqui o sentido de “mundo” são o diabo, os demônios, e aqueles que o servem, numa busca incessante pela realização do mal, pelo fim do bem; para que não sejam incomodados em sua escuridão, e a luz a dissipe). Ou não foi o que o próprio Jesus disse?

“Hipócritas, bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo:
Este povo se aproxima de mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim.
Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens.
[Mt 15.7-9]



C)          QUEM É JESUS PARA A IGREJA?


- João 1.1-5:

“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.


- O apóstolo João nos dá a certeza de que Cristo, o Verbo, é Deus.

- Ele sempre existiu, pois o sentido de “princípio” é eternidade; ou seja, ele é eterno, e sempre esteve com o Pai e o Espírito Santo.

- Mas também de que antes de tudo vir a ser criado, antes do tempo, ele, o Filho de Deus, foi quem, pelo poder de sua palavra, criou todas as coisas, e sustentou-as, e mantém-nas, pelo seu poder e glória.

- Sem ele, nada do que foi feito se fez.

- Vamos dar uma olhada em Gênesis 1.1 (temos o relato da criação):

No princípio criou Deus o céu e a terra”



-      Ora, o profeta Moisés escreveu, no primeiro versículo da Bíblia, o mesmo que João escreveria quase 2.000 depois: Cristo é Deus, e criou todas as coisas.

-      Portanto, irmãos, temos expressamente declarado, nas Escrituras, que Jesus Cristo é 100% Deus.

-      Mas e a sua humanidade?

-      Em Isaías 9.6-7, lemos:

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.
Do aumento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi e no seu reino, para o firmar e o fortificar com juízo e com justiça, desde agora e para sempre; o zelo do Senhor dos Exércitos fará isto.”

Em Mateus 1:18-25:

“Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Que estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo. Então José, seu marido, como era justo, e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente. E, projetando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo; E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. Tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor, pelo profeta, que diz; Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco.
E José, despertando do sono, fez como o anjo do Senhor lhe ordenara, e recebeu a sua mulher; E não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus.”


- Tanto o profeta como o apóstolo confirmam a mesma sentença espalhada por toda a Bíblia: Jesus é 100% homem [Ele teve fome e sede, chorou, se emocionou, orou, foi tocado, sentiu dores e morreu].

- Então, para nós, igreja, Cristo é o Deus-homem, o Salvador, o Redentor, aquele através do qual todo o que se arrepende dos seus pecados, tem-nos perdoado, e Cristo nos reconciliou com o Pai, pelo seu infinito amor, de se entregar a si mesmo na cruz para nos resgatar (tomar de volta) da condenação, do inferno, mas sobretudo, da inimizade com Deus. E por ele, temos paz, conhecemos a verdade, amamos e somos amados.



D) A GLÓRIA DE CRISTO


“E seis dias depois Jesus tomou consigo a Pedro, a Tiago, e a João, e os levou sós, em particular, a um alto monte; e transfigurou-se diante deles; E as suas vestes tornaram- se resplandecentes, extremamente brancas como a neve, tais como nenhum lavadeiro sobre a terra as poderia branquear. E apareceu-lhes Elias, com Moisés, e falavam com Jesus.
E Pedro, tomando a palavra, disse a Jesus: Mestre, é bom que estejamos aqui; e façamos três cabanas, uma para ti, outra para Moisés, e outra para Elias. Pois não sabia o que dizia, porque estavam assombrados. E desceu uma nuvem que os cobriu com a sua sombra, e saiu da nuvem uma voz que dizia: Este é o meu filho amado; a ele ouvi.
E, tendo olhado em redor, ninguém mais viram, senão só Jesus com eles.” [Mc 9.2-8]



- Veja bem, Cristo fez muitos milagres e feitos: andou sobre as ondas do mar, curou coxos, cegos, paralíticos, expulsou demônios, ressuscitou homens, multiplicou pães e peixes, mas nada impressionou mais os apóstolos do que a sua glória.

- Assim como Moises viu a glória de Deus, no monte Sinai, agora os apóstolos viram a mesma glória, no alto de um monte, e Moisés junto. A semelhança desses dois relatos é imensa, e serve para nos mostrar aquilo que está por vir, e veremos na eternidade.

Pedro pede para que sejam feitos tabernáculos para o Senhor, Moisés e Elias.

- Marcos descreve que eles estavam assombrados [ aqui a palavra significa atônito, admirado, surpreendido, maravilhado].

- Fico a imaginar o espanto e admiração dos apóstolos diante de algo tão singular, algo que suplantava todos os feitos do Senhor Jesus, mesmo sendo estes de tremendo assombro.

- A glória de Cristo deixou-os boquiabertos, em êxtase.

- Esta glória é a glória que veremos na eternidade; pois a glória de Cristo é a glória de Deus, e aprouve ao Pai e ao Espírito Santo serem glorificados pelo Filho.

- Meus irmãos, enquanto Cristo esteve neste mundo, ele se despiu da sua glória, não a glória que ele tem inerente a si mesmo, mas ao se humilhar e assumir a forma humana; mesmo assim, o apóstolo nos diz que ele é a imagem completa e perfeita do Deus invisível [Col 1.15-16]. Porque

“Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou.” [Jo 1.18]


- Em outras palavras, os feitos e realizações do Senhor são consequências do seu ser, mas a glória é algo inerente a ele, é o que ele é e sempre foi.

- Ao ponto em que os apóstolos, especialmente Pedro, não soube o que falar, absorto e envolvido pela glória do Filho.



E) QUEM É JESUS PARA O PECADOR?


- O que todos nós temos em comum? O pecado.

- Não importa quantos ou como foram cometidos, o certo é que todo homem carrega em si o germe do pecado, e ele cresce e produz frutos de destruição, para nós e para os outras pessoas.

- Mas há outra coisa que também temos em comum? Sabe o que é? O perdão!

- Cristo chamou um a um de nós para nos reconciliarmos consigo, e, assim, somos perdoados, e apagada é a nossa culpa. Não importa o que eu tenha feito, se mentido, se furtado, se matado, não importa o pecado, mas Cristo veio para me resgatar do lamaçal de morte para me levar ao seu Reino de graça e de vida.

- A mancha que carregávamos e não podia ser tirada, Cristo a arrancou e lançou-a fora, tornando-nos em limpos e santos.

- Recentemente o pastor Luiz pregou em 1 João 1.5-9. Vamos até o trecho:

“E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele trevas nenhumas. Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade. Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado. Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.”

- Ler o trecho de Marcos 2.1-12, em que Jesus perdoa um paralítico e o cura.



F) QUEM É JESUS PARA VOCÊ?


- Resta uma última pergunta: Quem é Jesus para você?

- A Bíblia nos diz que ele é Senhor e Salvador, mas também Juiz.

- Como vimos no trecho anterior, ele é aquele que nos inocentou com o seu próprio sangue. Por isso, a certeza da absolvição, pois não foi por mérito nenhum nosso, mas exclusivamente pelos méritos de Cristo que fomos salvos e inocentados.

- Ao levar sobre si as nossas culpas, elas foram irremediável e eternamente pagas por ele, com a sua dor, humilhação, sangue derramado e morte.

- Em Atos 17.30-31, lemos:
Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância; agora, porém, notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam; porquanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-o dentre os mortos.”
- No caso do santos, aqueles por quem Cristo morreu, passarão da morte para a vida, pois os seus pecados foram pagos e perdoados.

- Mas aquele que não reconheceu Jesus como Senhor e Salvador, não tem intimidade com o seu Espírito, nem o serve com coração agradecido e submisso, esse será julgado por ele.

- E a Escritura nos diz que:

Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo.” [Hb 10.31]



Portanto, deixo a pergunta: Quem é Jesus para você? Senhor e Salvador ou Juiz?




G) CONCLUSÃO:



Por fim, irmãos, resta-nos saber se gastaremos as nossas vidas nas coisas transitórias deste mundo, e nos esquecemos das eternas e sublimes, negando a Cristo o lugar de honra em nosso coração, como Rei. Será que não o colocamos em um quartinho escuro e mal arejado, pequeno, onde podemos guarda-lo e esquecê-lo?
Resta, a cada um de nós avaliar se honramos e glorificamos verdadeiramente a Deus ou não. Se desejamos com todo o nosso ser ter comunhão com ele ou não. Se estamos dispostos a negar a nós mesmos e segui-lo ou não. Se podemos viver sem todos os prazeres e vantagens deste mundo, mas não suportamos ficar um mísero minuto sem comunhão com o seu Espírito. Se buscamos a vontade dele, fazê-la, ou nos ocupamos em satisfazer as nossas vontades e desejos.
Se Cristo não é tudo em nossas vidas, não temos nada, nem vida! E a única coisa que podemos esperar é a morte contínua, a prolongação da morte, pois já estamos mortos.
Pois não há outra forma ou maneira de Deus ser glorificado que não seja pelo Filho. Se você pensa que qualquer outra forma de louvor e adoração a Deus é possível, engana-se redondamente.
Sem o Filho, você não tem o Pai. Sem o Filho, você não receberá o Espírito Santo. Sem o Filho você estará terrivelmente perdido.
Mas com o Filho, as portas do céu se abrirão para você; e, para sempre, estará diante daquele que o amou muito antes de você o amar.
Cristo nos abençoe e nos faça viver e morrer para ele!



Notas: 1- O título “Sem Cristo não há Deus” não tem nada a ver com a suposta dependência das demais pessoas da Trindade para com Cristo, no sentido delas existirem por causa dele ou do seu poder. O título nos remete à condição humana, a qual, sem Cristo, nenhuma intimidade ou comunhão é possível com Deus. Sem Cristo, negando-o por completo, retirando a sua divindade ou humanidade, ou substituindo-o por um outro objeto de culto e adoração, não há a menor possibilidade ou chance de haver um relacionamento com Deus. Por isso, para o homem (e porque não para a humanidade), sem Cristo não há Deus, e qualquer tentativa de alcançá-lo será impossível.

domingo, 30 de outubro de 2016

Esboço de Sermão em Salmos 93.1-4: "O Senhor reina!"



Jorge F. Isah





1)  INTRODUÇÃO:

-      A primeiro afirmação que o salmista nos faz é a de que o “Senhor reina”!
-      Não há qualquer questionamento em relação à existência divina; isto é visto e pautado como um fato pelo escritor; ao reinar, ele existe; existe porque reina e reina porque existe.
-      Da mesma forma, não há qualquer tentativa de provar ou defender a existência de Deus; o salmista tem, por princípio, fundamento e pressuposto, o fato de que Deus existe, como verdade absoluta e insofismável.
-      Nenhum outro autor ou texto da Escritura se preocupa com esta questão. Todos partem da afirmação ou assertiva de que Deus existe; isto é um fato, não uma hipótese ou possibilidade.
-      No primeiro verso de Gênesis pode-se já, de início, perceber, entender, e crer, nessa constatação, pois está escrito:
“No princípio criou Deus os céus e a terra” (Gn 1.1)
-      Nela está contida a preexistência divina antes de ele criar tudo o que há pelo seu poder.
-      O irmão consegue imaginar como Deus é poderoso, criativo e perfeito?
-      Se vislumbrarmos uma pétala de flor (algo visível ao homem), em sua beleza, fragilidade, pequenez e exclusividade, assim como o poder, esplendor e grandiosidade de uma estrela, é impossível não se maravilhar com o poder, diversidade e perfeição de tudo aquilo ao qual Deus fez, criou, por sua exclusiva vontade.
-      Existem outros componentes como o amor, a providência e a sabedoria divina em todas as criaturas, que refletem em maior ou menor grau a sua maravilhosa engenhosidade como designer.
-      Por mais que o homem seja criativo (e ele é, como reflexo do próprio atributo divino que nos foi imputado), nada se compara ao mundo pensando e colocado em prática pelo Senhor.
-      E esse é um fato, uma certeza, porque o homem traz dentro de si a imagem divina ou “Imago dei” (Gn 1.16-27) Mesmo corrompida pelo pecado, essa imagem está viva no homem, gritando dentro dele; e ela não se cala, pois a própria luta de alguns em negá-la se converte na prova de que é necessário apagar aquilo que de mais vivo há no homem para que ele possa se manter morto. A negação de Deus se converte na melhor forma de suicidio espiritual, na morte, no aniquilamento de si mesmo, a fim de encobrir as impressões divinas deixadas no ser humano.
-      O homem, por mais cético que seja, e por mais que permaneça em sua intransigente teimosia, jamais poderá, sinceramente, destruir a imagem de Deus sem aniquilar-se a si mesmo, e em seu lugar colocar um “monstro”, alimentado pelo pecado.

2)  QUEM É O SENHOR?

-      Em um mundo onde há uma profusão de deuses (criados à imagem e semelhança do homem caído); a época do salmista não era diferente, e em meio a tantos ídolos ele afirma categoricamente: o Senhor reina!
-      Mas, quem é esse Senhor?
-      Ele não é feito de barro, madeira, metal, nem esculpido pelas mãos humanas. Ele é Espírito, e como tal, não pode ser simbolizado por formas daquilo que vemos, pois ele não pode ser visto por olhos naturais.
-      Diferente dos deuses pagãos (sejam hindus, gregos, romanos, ou de outra cultura qualquer), ele não está circunscrito aos mares, ao fogo, à terra ou ao ar. Nem mesmo às estrelas.
-      Ele não é um Deus limitado, que precisa ser carregado, que está preso em um lugar, um elemento ou esfera da criação, como os falsos deuses. Ele é infinito, onipresente, e, portanto, está em todos os lugares.
-      O Senhor não é um Deus impessoal, que criou o universo e todas as coisas para abandoná-las, como um espectador assistindo a história passar diante de si passivamente. Não. O Senhor é o Deus ativo, por quem tudo veio a existir, e sem o qual nada existiria e subsistiria. Ele governa plantas, animais, homens, os elementos, os astros, e toda a sua criação, sem que nada aconteça alheio à sua vontadee ordem.
-      Muito menos um Deus fraco, impotente, sujeito à vontade de suas criaturas, incapaz de controlar a sua própria criação; um Deus de mãos atadas.
-      O salmista descreve, em seus poucos versos, o Deus Todo-Poderoso, Senhor de tudo e de todos, ao qual ninguém pode resistir.
-      Sua vontade é soberana, e seu reino é eterno.

3)  REINO ETERNO E IMUTÁVEL:

-      A Bíblia afirma que Deus é um, subsistindo na forma de três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo (Mt 3.13-17).
-      Não faremos um estudo sobre a Trindade, não é este o tema do Salmo, mas é preciso que o Senhor seja identificado como tal, como ele é.
-      Novamente, voltemos à afirmação inicial do salmista: Ele reina!
-      Ao contrário de tantos reis e monarcas que são alçados e destituídos dos seus tronos, Deus reina; ele não reinou apenas, em um tempo remoto, ou reinará em um futuro distante, mas ele reina! O verbo está na sua forma intransitiva, indicando não necessitar de complementos, sendo, em si mesmo, completo, pronto, acabado.
-      Por isso, podemos afirmar que o seu reino é imutável; o seu reinado é indestrutível.
-      O seu reino existe porque ele o criou, por seu poder e vontade absoluta,  suprema.  Não existe qualquer condição para o seu reinado, a não ser o fato de ele ser o rei, o soberano pleno.
-      O seu reino não está circunscrito a uma região, país ou determinada área, povo ou etnia, mas sobre tudo e todos indistintamente.
-      O seu reino existe para refletir a sua glória, a glória eterna que possui.
-      O Senhor é rei eterno, ninguém o entronizou, assim como ninguém o destituirá. Ele está revestido de majestade, da glória que sempre teve consigo e da qual não pode se separar.
-      Assim, o seu poder é eterno e inerente ao seu ser eterno, não é algo que lhe foi dado e que lhe pode ser tomado; não é algo de que se arrependa ou despreze, porque ele é assim, e assim será.
-      Sendo ele imutável, também é imutável o seu poder, glória, reino e majestade. Tudo é intocado e intocável, pois não há nada maior do que o Senhor.
-      Da mesma forma, o seu eterno decreto, ou seja, a sua vontade soberana e imutável não transige, nem pode ser abalada. Ela está firmada nele, e como uma rocha é indestrutível.

4)  CRISTO: O SENHOR VÍSIVEL

-      Existe uma ideia equivocada de que Deus é Senhor apenas daqueles que se convertem a ele, mas a verdade é que a Biblia nos revela Deus como aquele que governa, rege, todas as criaturas, sem que nenhuma delas escape ou fuja do seu poder.
-      Muitos se recusam a reconhecer o seu senhorio, como se o fato de eu não gostar de azul pudesse mudar a cor do céu.
-      Por isso, Paulo nos diz, àcerca de Cristo: ler Filipenses 2. 5-11
-      O fato de não aceitar o senhorio de Cristo, não o impede de ser Senhor, pois ele é, a despeito da minha rebeldia e insensatez, Senhor!.
-      Então, Quando lemos o relato de que todo joelho se dobrará diante de Cristo, e toda língua confessará que ele é Senhor, não há margem para ninguém, nem mesmo o diabo e seus anjos, estarem fora dessa lista, não estarem subordinados a Cristo.
-      Se ao passo em que o crente regenerado o faz por amor e gratidão, os ímpios o farão pelo irresistível poder divino de sujeitar todos debaixo do seu poder, da sua autoridade; não haverá como satanás e seus servos não se curvarem e se sujeitarem ao senhorio de Cristo.
-      Nem há como discutir o fato de ele ser a expressa imagem de Deus, o Deus revelado, visível.
-      Mas nada disso acontece porque nos aproximamos dele, o amamos primeiro, então, Deus, em reciprocidade, reconhecendo o nosso esforço e aceitação, nos ama e se aproxima de nós. Não. Foi ele quem nos amou primeiro, eternamente, e por causa do seu amor é que o amamos (1Jo 4.19).
-      Cristo, pelo poder de sua palavra, mantém todas as coisas em ordem, ainda que para nós, em nossa arrogância e tolice, consideremo-nas caóticas e frágeis (Hb 1.1-3)
-      E é nesta palavra que Estamos firmados. Em Cristo, o verbo eterno, existimos, vivemos, nos movemos, para a sua glória.
-      Ler João 1.1-5

5)  CONCLUSÃO:

-      Este Salmo aponta diretamente para Cristo. Na verdade, toda a Escritura aponta para ele. Ao ponto em que, creio, o Pai e o Espírito Santo se alegram e são glorificados quando o Filho é glorificado; ao passo em que, caso o Filho não o seja, nem o Pai e o Espírito o serão.
-      Ele nos liga, de maneira sobrenatural, maravilhosa, a Deus; pois sendo Deus, se humilhou e assumiu a forma humana, fazendo-se um de nós, para nos tornar agradáveis ao Pai.
-      Portanto, como está escrito: tudo é por Cristo, para Cristo e em Cristo (Rm 11.36)
-      Glória eterna ao Rei dos reis e Senhor dos senhores!