.

.
Página de doutrina Batista-Calvinista. Cremos na inspiração divina, na inerrância e infalibilidade das Escrituras Sagradas; e de que Deus se manifestou em plenitude no seu Filho Amado Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador, o qual é a Segunda Pessoa da Tri-unidade Santa
CLIQUE, NO TÍTULO DE CADA UMA DAS POSTAGENS, PARA ACESSAR O ÁUDIO DO SERMÃO OU ESTUDO

domingo, 30 de outubro de 2016

Esboço de Sermão em Salmos 93.1-4: "O Senhor reina!"



Jorge F. Isah





1)  INTRODUÇÃO:

-      A primeiro afirmação que o salmista nos faz é a de que o “Senhor reina”!
-      Não há qualquer questionamento em relação à existência divina; isto é visto e pautado como um fato pelo escritor; ao reinar, ele existe; existe porque reina e reina porque existe.
-      Da mesma forma, não há qualquer tentativa de provar ou defender a existência de Deus; o salmista tem, por princípio, fundamento e pressuposto, o fato de que Deus existe, como verdade absoluta e insofismável.
-      Nenhum outro autor ou texto da Escritura se preocupa com esta questão. Todos partem da afirmação ou assertiva de que Deus existe; isto é um fato, não uma hipótese ou possibilidade.
-      No primeiro verso de Gênesis pode-se já, de início, perceber, entender, e crer, nessa constatação, pois está escrito:
“No princípio criou Deus os céus e a terra” (Gn 1.1)
-      Nela está contida a preexistência divina antes de ele criar tudo o que há pelo seu poder.
-      O irmão consegue imaginar como Deus é poderoso, criativo e perfeito?
-      Se vislumbrarmos uma pétala de flor (algo visível ao homem), em sua beleza, fragilidade, pequenez e exclusividade, assim como o poder, esplendor e grandiosidade de uma estrela, é impossível não se maravilhar com o poder, diversidade e perfeição de tudo aquilo ao qual Deus fez, criou, por sua exclusiva vontade.
-      Existem outros componentes como o amor, a providência e a sabedoria divina em todas as criaturas, que refletem em maior ou menor grau a sua maravilhosa engenhosidade como designer.
-      Por mais que o homem seja criativo (e ele é, como reflexo do próprio atributo divino que nos foi imputado), nada se compara ao mundo pensando e colocado em prática pelo Senhor.
-      E esse é um fato, uma certeza, porque o homem traz dentro de si a imagem divina ou “Imago dei” (Gn 1.16-27) Mesmo corrompida pelo pecado, essa imagem está viva no homem, gritando dentro dele; e ela não se cala, pois a própria luta de alguns em negá-la se converte na prova de que é necessário apagar aquilo que de mais vivo há no homem para que ele possa se manter morto. A negação de Deus se converte na melhor forma de suicidio espiritual, na morte, no aniquilamento de si mesmo, a fim de encobrir as impressões divinas deixadas no ser humano.
-      O homem, por mais cético que seja, e por mais que permaneça em sua intransigente teimosia, jamais poderá, sinceramente, destruir a imagem de Deus sem aniquilar-se a si mesmo, e em seu lugar colocar um “monstro”, alimentado pelo pecado.

2)  QUEM É O SENHOR?

-      Em um mundo onde há uma profusão de deuses (criados à imagem e semelhança do homem caído); a época do salmista não era diferente, e em meio a tantos ídolos ele afirma categoricamente: o Senhor reina!
-      Mas, quem é esse Senhor?
-      Ele não é feito de barro, madeira, metal, nem esculpido pelas mãos humanas. Ele é Espírito, e como tal, não pode ser simbolizado por formas daquilo que vemos, pois ele não pode ser visto por olhos naturais.
-      Diferente dos deuses pagãos (sejam hindus, gregos, romanos, ou de outra cultura qualquer), ele não está circunscrito aos mares, ao fogo, à terra ou ao ar. Nem mesmo às estrelas.
-      Ele não é um Deus limitado, que precisa ser carregado, que está preso em um lugar, um elemento ou esfera da criação, como os falsos deuses. Ele é infinito, onipresente, e, portanto, está em todos os lugares.
-      O Senhor não é um Deus impessoal, que criou o universo e todas as coisas para abandoná-las, como um espectador assistindo a história passar diante de si passivamente. Não. O Senhor é o Deus ativo, por quem tudo veio a existir, e sem o qual nada existiria e subsistiria. Ele governa plantas, animais, homens, os elementos, os astros, e toda a sua criação, sem que nada aconteça alheio à sua vontadee ordem.
-      Muito menos um Deus fraco, impotente, sujeito à vontade de suas criaturas, incapaz de controlar a sua própria criação; um Deus de mãos atadas.
-      O salmista descreve, em seus poucos versos, o Deus Todo-Poderoso, Senhor de tudo e de todos, ao qual ninguém pode resistir.
-      Sua vontade é soberana, e seu reino é eterno.

3)  REINO ETERNO E IMUTÁVEL:

-      A Bíblia afirma que Deus é um, subsistindo na forma de três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo (Mt 3.13-17).
-      Não faremos um estudo sobre a Trindade, não é este o tema do Salmo, mas é preciso que o Senhor seja identificado como tal, como ele é.
-      Novamente, voltemos à afirmação inicial do salmista: Ele reina!
-      Ao contrário de tantos reis e monarcas que são alçados e destituídos dos seus tronos, Deus reina; ele não reinou apenas, em um tempo remoto, ou reinará em um futuro distante, mas ele reina! O verbo está na sua forma intransitiva, indicando não necessitar de complementos, sendo, em si mesmo, completo, pronto, acabado.
-      Por isso, podemos afirmar que o seu reino é imutável; o seu reinado é indestrutível.
-      O seu reino existe porque ele o criou, por seu poder e vontade absoluta,  suprema.  Não existe qualquer condição para o seu reinado, a não ser o fato de ele ser o rei, o soberano pleno.
-      O seu reino não está circunscrito a uma região, país ou determinada área, povo ou etnia, mas sobre tudo e todos indistintamente.
-      O seu reino existe para refletir a sua glória, a glória eterna que possui.
-      O Senhor é rei eterno, ninguém o entronizou, assim como ninguém o destituirá. Ele está revestido de majestade, da glória que sempre teve consigo e da qual não pode se separar.
-      Assim, o seu poder é eterno e inerente ao seu ser eterno, não é algo que lhe foi dado e que lhe pode ser tomado; não é algo de que se arrependa ou despreze, porque ele é assim, e assim será.
-      Sendo ele imutável, também é imutável o seu poder, glória, reino e majestade. Tudo é intocado e intocável, pois não há nada maior do que o Senhor.
-      Da mesma forma, o seu eterno decreto, ou seja, a sua vontade soberana e imutável não transige, nem pode ser abalada. Ela está firmada nele, e como uma rocha é indestrutível.

4)  CRISTO: O SENHOR VÍSIVEL

-      Existe uma ideia equivocada de que Deus é Senhor apenas daqueles que se convertem a ele, mas a verdade é que a Biblia nos revela Deus como aquele que governa, rege, todas as criaturas, sem que nenhuma delas escape ou fuja do seu poder.
-      Muitos se recusam a reconhecer o seu senhorio, como se o fato de eu não gostar de azul pudesse mudar a cor do céu.
-      Por isso, Paulo nos diz, àcerca de Cristo: ler Filipenses 2. 5-11
-      O fato de não aceitar o senhorio de Cristo, não o impede de ser Senhor, pois ele é, a despeito da minha rebeldia e insensatez, Senhor!.
-      Então, Quando lemos o relato de que todo joelho se dobrará diante de Cristo, e toda língua confessará que ele é Senhor, não há margem para ninguém, nem mesmo o diabo e seus anjos, estarem fora dessa lista, não estarem subordinados a Cristo.
-      Se ao passo em que o crente regenerado o faz por amor e gratidão, os ímpios o farão pelo irresistível poder divino de sujeitar todos debaixo do seu poder, da sua autoridade; não haverá como satanás e seus servos não se curvarem e se sujeitarem ao senhorio de Cristo.
-      Nem há como discutir o fato de ele ser a expressa imagem de Deus, o Deus revelado, visível.
-      Mas nada disso acontece porque nos aproximamos dele, o amamos primeiro, então, Deus, em reciprocidade, reconhecendo o nosso esforço e aceitação, nos ama e se aproxima de nós. Não. Foi ele quem nos amou primeiro, eternamente, e por causa do seu amor é que o amamos (1Jo 4.19).
-      Cristo, pelo poder de sua palavra, mantém todas as coisas em ordem, ainda que para nós, em nossa arrogância e tolice, consideremo-nas caóticas e frágeis (Hb 1.1-3)
-      E é nesta palavra que Estamos firmados. Em Cristo, o verbo eterno, existimos, vivemos, nos movemos, para a sua glória.
-      Ler João 1.1-5

5)  CONCLUSÃO:

-      Este Salmo aponta diretamente para Cristo. Na verdade, toda a Escritura aponta para ele. Ao ponto em que, creio, o Pai e o Espírito Santo se alegram e são glorificados quando o Filho é glorificado; ao passo em que, caso o Filho não o seja, nem o Pai e o Espírito o serão.
-      Ele nos liga, de maneira sobrenatural, maravilhosa, a Deus; pois sendo Deus, se humilhou e assumiu a forma humana, fazendo-se um de nós, para nos tornar agradáveis ao Pai.
-      Portanto, como está escrito: tudo é por Cristo, para Cristo e em Cristo (Rm 11.36)
-      Glória eterna ao Rei dos reis e Senhor dos senhores!

Nenhum comentário: